Violência doméstica: Comitê Feminina promove webinário sobre a campanha “Sinal Vermelho”

No Dia Internacional da Igualdade Feminina, comemorado nesta quarta-feira (26), os membros do Comitê Feminina (Comitê de Valorização Feminina no Poder Judiciário do RN) se reuniram com servidores, magistrados e agentes sociais para dialogar sobre a violência contra a mulher e a campanha do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) “Sinal Vermelho”.

Assista AQUI o webinário completo.

A conselheira do CNJ Maria Cristiana Ziouva e a desembargadora Maria Zeneide Bezerra, que preside o Comitê Feminina, foram as palestrantes principais. As falas foram mediadas pela jornalista Andreia Ramos, secretária de Comunicação Social do TJRN.

Maria Cristiana Ziouva iniciou sua fala ressaltando que “temos o mesmo ideal de trabalho, a mesma luta em defesa dessas mulheres que vivem essa realidade da violência doméstica”.

“Essa campanha foi idealizada por duas juízas, Renata Gil, presidente da Associação de Magistrados Brasileiros, e Maria Domitila Prado, juíza criminal de São Paulo, porque elas perceberam o aumento assustador de violência e feminicídio no período de isolamento social”, explicou a magistrada. Ela apontou que no Rio de Janeiro, nos primeiros 20 dias de isolamento social, houve um aumento de 50% nas denúncias, ela também citou o estado do Acre, em que o aumento chegou a 300%.

Segundo a conselheira, existem muitas campanhas parecidas em outros lugares do mundo, como na Índia, Espanha e França. “A diferença é que a nossa tem âmbito nacional, é a mesma campanha com o mesmo protocolo para todos os estados e também tem todos os poderes do estado envolvidos”, comentou.

“Nossa ideia é justamente trazer esse tema para a discussão, nós precisamos pelo menos conversar a respeito, por que antes sequer fazíamos isso. Até alguns anos atrás dizíamos que ‘em briga de marido e mulher não se mete a colher’, o que não pode ser verdade”, disse a conselheira, acrescentando que é preciso também trazer algo que efetivamente pudesse ajudar essas mulheres e esse é o intuito da campanha.

A juíza Fátima Soares reiterou que mulheres em situação de violência são uma realidade, “em tempos de isolamento elas encontram ainda mais dificuldade para realizar a denúncia. Essa iniciativa do Sinal Vermelho e o Comitê abraçam essa causa”.

Durante a videoconferência, foi apresentado um vídeo realizado pelas cordelistas do Movimento Cordel das Rosas, sobre a campanha.

Campanha Sinal Vermelho

A campanha consiste em incentivar mulheres a denunciar a violência doméstica e familiar através de um X vermelho em sua mão, em farmácias. O foco da campanha são mulheres em situação de violência, que não têm acesso aos meios digitais para realizar a denúncia. A ideia é que o funcionário da farmácia, preparado para a situação, acione a Polícia.

“A prioridade era a celeridade no acolhimento dessas mulheres, foi um trabalho árduo que valeu a pena, pois estamos colhendo resultados positivos. Na realidade o bom seria é que não houvesse necessidade desse tipo de campanha, tantas mulheres sendo agredidas ainda hoje”, explicou a conselheira.

Ainda segundo Maria Cristiana Ziouva, a farmácia foi escolhida por que é menor, mais acolhedora. “A gente vai lá buscar algo para a saúde e numa situação como essa, a mulher está muito fragilizada, nós pensamos nas farmácias com esse intuito e para a nossa alegria, quando levamos isso para as associações tivemos uma acolhida grande”, concluiu.

Comitê

Sobre o Feminina, a desembargadora Zeneide Bezerra explicou que “instalamos o comitê e fomos em várias comarcas, ouvimos as mulheres e foi feita uma pesquisa bastante positiva. O TJRN está dando feedback a todas elas sobre o que elas disseram, ouvimos depoimentos fantásticos e maravilhosos de servidoras, magistradas, terceirizadas e estagiárias”.

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça Sete de Setembro, nº 34, Cidade Alta, Natal/RN, CEP 59025-300 - (84) 3616-6200